Conheça o básico sobre media training para pequenas e médias empresas

Como se preparar para uma entrevista e conseguir comunicar o que você realmente quer.

Bomba, bomba: você acabou de ser selecionado para uma matéria que falará um pouco sobre business. A história que você falar sobre a sua marca vai te expor para uma nova audiência e ampliar a visibilidade da sua empresa.

E assim como a felicidade pela oportunidade, também vem uma tonelada de ansiedade agora que você precisa fazer a entrevista. 

Eu entendo, de verdade – jornalistas podem ser extremamente assustadores. Além disso, essa ação  é uma oportunidade de conseguir novos clientes, aumentar suas vendas e ainda sua autoridade. Você quer ter certeza que está usando as palavras certas nos momentos corretos. 

Você deve se questionar: como tantos empresários são tão bons com anúncios e entrevistas? Como consigo superá-los?

Mantenha a calma

Respire fundo e tenha calma. O sucesso de uma entrevista tem a ver com preparação e  prática. É normal ficar nervoso antes de um compromisso como este. Aqui, citarei algumas estratégias que podem ajudar a comunicar o que você realmente quer falar. Com alguns conhecimentos prévios, com certeza terá uma entrevista mais assertiva e produtiva.

Pense em tudo!

Primeiro de tudo: alinhe-se com os acontecimentos do mundo e como sua empresa encontra-se no momento. Quais serão os resultados que essa exposição trará? A partir dessa resposta, escolha a mensagem que você quer passar.

Todas as entrevistas têm, naturalmente, espaços para que você possa falar exatamente o que está na sua agenda de comunicação. Além disso, deve-se seguir dois objetivos básicos:

  • Contribuir com o jornalista e suas necessidades para a história que ele quer contar
  • Falar sobre a sua empresa

Os objetivos têm que ser equilibrados. Se você não falar a história direito, talvez ela nem seja noticiada, mas se você não defender e falar da sua empresa, a razão de você ter sido a pessoa escolhida para contar a história é perdida.

Pesquise

Procure com quem você vai conversar, estude a linha de conteúdo e o tom de voz do repórter. Você quer saber o mínimo do que eles pensam e seus interesses. Também não é um problema perguntar para os produtores da entrevista se já foram abordados assuntos semelhantes no passado e perguntar mais detalhadamente o que eles realmente querem discutir contigo.

Também é importante relevar quem está do outro lado da linha – e que vai receber essa história. O que eles querem ouvir?

Identifique três mensagens que você quer levar

Com essa pesquisa na cabeça, é hora de identificar o que você realmente quer comunicar durante a entrevista e o que você não quer falar durante a entrevista. 

Anote e memorize todos estes pontos e, mais importante, comunique somente o que você já havia pensado em falar. 

Treino

O único motivo para alguém soar natural numa entrevista é o treino: fazer uma lista de possíveis questões, se trancar no quarto e praticar as respostas. É literalmente um treino de músculos para que as palavras soem corretamente e mais seguras.

A hora é agora!

Durante a entrevista

Você se preparou e agora é hora de arrebentar na entrevista. 

Ao invés de tentar se lembrar de tudo, foque em conseguir passar a mensagem correta. Você já se preparou, sabe o que tem que ser dito e como deve ser falado.

  1. Estabeleça quem é você e quem é a empresa a nível de perspectiva introdutória. Apesar da pergunta do jornalista, comece com este contexto. Isso garante que a mídia e o repórter entenda quem é você e a empresa. Não deixe que essa interpretação fique para eles. 
  2. Tenha calma, responda perguntas e fale da sua história. Lembre-se que você se preparou e está no controle da entrevista – eles te perguntam e você já saberá a resposta. 

Se a entrevista for online ou por telefone, mantenha as suas anotações próximas. Você não quer ler as anotações, mas com certeza elas o ajudarão a encontrar algum  território conhecido durante uma resposta. 

Durante a entrevista você pode perceber que conseguiu comunicar muito do que queria, mas caso não tenha conseguido, não perca a oportunidade e comente com o jornalista: “Ah, só mais uma coisinha..”, ou, se necessário, envie um e-mail para a emissora. 

  1. Durante a entrevista, anote tudo o que achar relevante: um comentário, uma pessoa comentada, uma outra entrevista que você foi convidado… 

Ao encontrar obstáculos durante uma entrevista, pode ser fácil perder a linha de raciocínio como, por exemplo,  com alguma pergunta difícil do repórter.

Lembre-se: você pode responder a uma pergunta sem chegar na resposta quista pelo repórter. 

Algumas dicas para tal são:

  • Não tenha medo de ganhar tempo, está tudo bem pensar para responder algo. Falar que é uma boa pergunta é um bom exemplo de como ganhar alguns segundos pensando.
  • Se você não tiver a informação adequada, não é um problema dizer que confirmará e enviará diretamente para a pessoa. 
  • Ainda, em último caso, se não quiser responder uma questão: não responda! Você pode falar diretamente, por exemplo: “não comentamos sobre questões financeiras” ou ainda levar a resposta para um campo que você se sinta mais à vontade. 
  • Evite o termo “sem comentários” ou  “eu não sei”. Isso passa uma mensagem muito ruim. Se necessário, utilize “Não tenho certeza”. 

Depois da entrevista

Converse com os repórteres, conecte os pontos e ofereça ajuda no que ele precisar para criar a história, complete informações que não conseguiu trazer durante a entrevista, imagens e referências citadas. Se não souber quando será passada a entrevista, é um bom momento de perguntar.

E claro, assista para se auto-avaliar e melhorar para a próxima vez!

Como escolher a melhor forma pagamento virtual? Saiba qual combina com seu e-commerce

Com o e-commerce cada vez mais consolidado como ferramenta de venda no ambiente online, saber o método correto de pagamento é tão importante quanto a escolha do layout ou produto oferecido na sua loja virtual. E nós vamos te provar isto!

Para tomar a decisão correta, o lojista precisa buscar um equilíbrio entre as melhores soluções para os clientes e o impacto financeiro gerado ao adotar cada uma dessas plataformas. 

Mas, como?

O ideal é conhecer em detalhes o perfil do seu cliente. Também é importante fazer uma previsão de fluxo de caixa, pois nem sempre o repasse dos recursos para a conta da loja é imediato.

Agora, que você se ambientou com o conceito, vamos listar algumas dicas para que sua opção seja a melhor possível. 

Apesar de ambas ferramentas operarem com todos os meio de pagamento em um único sistema, antes de realizar qualquer escolha neste contexto, é preciso entender os prós e contras e as diferenças entre intermediadores e gateways.

O que são gateways?

O gateway é um sistema de pagamento, que faz a ligação direta entre a loja virtual e a organização financeira responsável pela cobrança, proporcionando um contato prático com as operadoras de bancos e cartões.

Além de permitir, que o cliente escolha a forma deseja realizar o pagamento (boleto, cartão de crédito, débito em conta, etc) e os sistemas transferem o valor pago para a conta do lojista. Assim, como o intermediador.

O que são intermediadores?

Já o intermediador, como pagamento,  trabalha coletando os dados do seu cliente e liquidando as transações, sem a necessidade das lojas se filiarem a operadoras de cartão ou bancos.

Em outras palavras, ao realizar uma compra quem recebe o pagamento é o intermediador. 

O sistema fica responsável pela aprovação e pelo repasse do valor da venda à loja virtual. Algumas empresas que oferecem esse serviço são: Pagseguro, Mercado Pago, Picpay, Ebanx e Paypal.

Afinal, qual é a melhor forma de pagamento para e-commerce?

PagSeguro

Uma ferramenta de pagamentos oferecido pelo UOL que simplifica as ações comerciais dentro e fora da internet. Hoje a plataforma chegou a 25 milhões de usuários no país devido ao seu conforto e segurança. Um aplicativo de boa acessibilidade e com ampla integração com as mais variadas as plataformas e e-commerces.

Picpay

Um aplicativo fintech desenvolvido no Brasil para promover uma experiencia sem burocracia entre você e o seu dinheiro. O Pic Pay permite transações com QR Code ou com aplicativo.

Ebanx

O EBANX é uma empresa que oferece métodos de pagamentos locais para sites internacionais e nacionais, ou seja, sua plataforma possibilita que brasileiros paguem suas contas utilizando o real. Hoje, empresas como Spotify, Ali Express, Air Bnb, Sony Playstation e Wish utilizam os serviços.

Tarifas

Ah, é claro que não poderíamos desconsiderar o valor das tarifas, pois cada serviço tem um custo para o lojista e estas despesas operacionais devem ser levadas em conta no seu planejamento.

Os gateways ou intermediadores de pagamento exigem uma cobrança fixa de aproximadamente R$0,65 por cada transação efetuada mais uma taxa sobre o valor do pagamento, que pode chegar a até 5% de cada operação.

Muito inferior se comparado ao cartão de crédito, onde se paga uma mensalidade em torno de R$ 100,00 acrescida de uma taxa média de 4% sobre o valor da fatura (o percentual varia de acordo com as operadoras de cartões).

Agora que você tem o entendimento da amplitude e das particularidades dos principais métodos de pagamento ficou mais fácil analisar qual será mais positiva.

Melhore as vendas e a saúde financeira do seu negócio com as nossas dicas.

Webinar: Site não é produto, é projeto.

Seguindo o ciclo de palestras online do Rotary Club de Itatiba, o nosso CEO da Yala Agency, Rafael Cintra palestrará sobre o tema “Site não é produto, é projeto” no próximo dia 27 de agosto, às 20h. 

O webinario abordará como deve ser a percepção de um Comércio Digital e suas estratégias.

As palestras vêm ocorrendo desde o início do mês com objetivo de incentivar o uso das mídias sociais para impulsionar sua marca e melhorar o desempenho das vendas, ainda mais neste período de quarentena.

“Nesse tempo difícil que estamos passando, o melhor é que todos nós saibamos muito bem o potencial de nossa cidade e assim todos podem dar prioridade nas compras em produtos e serviços de nossa gente, ajudando uns aos outros como uma forma saudável e solidária de vencermos as dificuldades e limitações dos negócios”, ressaltou o vice-presidente, Richard Kraus.

Conheça o palestrante

Rafael Cintra é formado em Sistemas de Informação pela PUC-Campinas, especialista em Gestão de Projetos.

Trabalhou com portais de alto volume de tráfego, como a Infomoney e o Motonline. Atuou com otimização de SEO, estratégias de geração de tráfego, leads e conversão, otimização de performance de sistemas e serviços.

Arte do webinario

Inscrições

A inscrição é gratuita, portanto, para participar basta enviar uma mensagem no Whatsapp (11) 99974-7144 e aguardar o link para a sala do Google Meetings.


WEBINAR – Site não é produto, é projeto

27 de agosto de 2020, Google Meetings, às 20h00.


Marketing em tempos de crise

Nós da Yala construímos nossa empresa no ano passado acreditando que o eixo digital e ações de marketing assertivas na internet eram um diferencial importante de empresas que buscam o alto rendimento.

Acadêmicos já indicavam que a transformação e a capacidade de se reinventar são fatores importantes para todos os tipos de empresas. O gestor Igor Davelli, CEO da Mundo Facilities, recentemente publicou uma entrevista com Eugenio Cesare com questionamentos importantes para o futuro da indústria, passando por liderança, competitividade, e até como será para os novos profissionais que estão entrando no mercado de trabalho agora. Confira a entrevista na íntegra aqui.

No mês de maio mais de 1,1 milhão de brasileiros perderam o emprego e a economia já tomou um baque, por conta do distanciamento social que ocorreu no mundo inteiro. O Brasil vive uma crise política e tem engatinhado em ações preventivas da pandemia, tanto para proteger a saúde dos cidadãos como para manter a saúde da economia.

Sempre tivemos uma tônica de que não basta apenas fazermos publicidade. Devemos repensar serviços, logística, estratégias e até modelos de negócio inteiros. A mudança e a transformação não vêm apenas de um foco maior nas redes sociais mas de entender este mercado digital, que grandes players do mercado como Magazine Luiza e Americanas já exploram, utilizando até de inteligência artificial.

Tecnologias para isto são acessíveis para todas as empresas por meio de software livre e serviços de startups globais. Agora é hora de inovar e encontrar os parceiros e ferramentas certas.

Segundo o JP Morgan, as maiores dificuldades das empresas neste período de pandemia são:

  • Alinhamento do time (principalmente pelo trabalho remoto e pelo isolamento social)
  • Fluxos financeiros
  • Retenção de clientes
  • Estratégias de vendas
  • Receitas alternativas
  • Dificuldade de se adaptar a novos padrões de consumo

Em matéria de tecnologia, o mundo nunca esteve tão preparado para uma pandemia. Em menos de 2 semanas foi mapeado o genoma e origem do vírus que nos assola. Ciência e tecnologia, apesar de terem sido atropeladas pelo mundo de informações rápidas – e até falsas, continuam a crescer e são a base da sociedade em que vivemos.

Não há um resultado determinístico para esta crise, mas temos um norte: Os números. Seja para o Marketing, seja para a gestão da sua empresa, um dos pontos mais importantes é conseguir entender seu negócio através de indicadores, tanto internos quanto externos.

O mundo está em constante transformação – sempre esteve, e as ações que você toma têm que ser pautadas em métricas e metas para o futuro. A internet não é a mesma de 2012. Não tinha nem WhatsApp. Lembra?

O que esperar do Marketing, então?

Métricas.

Somente a partir de números é que o Marketing pode tomar decisões assertivas mas não apenas isso: A capacidade analítica e a velocidade para tomada de decisões, além de ações rápidas e de custo baixo são a base para chegarmos a bons resultados.

Antes da publicidade em si, invista em recursos para entender seus clientes, mercados e oportunidades.